Para o secretário-geral da ONU para a Rio+20, Sha Zukang, a Conferência das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável não só será histórica, como também terá muito mais impacto do que a Rio-92. Segundo ele, no entanto, a Rio+20 não é para mudar os princípios acertados na Eco-92, há 20 anos. “Todos eles ainda são igualmente relevantes e válidos”, disse ele, nesta segunda-feira (11), a dois dias para a abertura do evento, em encontro com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, no Palácio da Cidade, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Mas Sha Zukang deixou escapar um alerta ao falar sobre os documentos que podem sair desse encontro com mais de cem chefes de estado e autoridades do mundo inteiro.

O prefeito Eduardo Paes e o secretário-geral da ONU para a Rio+20 Sha Zukang (Foto: Carolina Lauriano/G1)

“Infelizmente as pessoas mostram suas cartas no último minuto”, disse ele, em tom de brincadeira. Segundo Sha Zukang, a ausência do presidente dos EUA, Barack Obama, da chanceler da Alemanha, Ângela Merkel, e do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, não enfraquecerá a Rio+20. “Eles estarão muito bem representados”, afirmou. O prefeito afirmou que a partir desta terça-feira (12) equipes da prefeitura, da ONU e do Itamaraty se reunirão diariamente, às 9h, para discutir como foi o dia anterior e tomar decisões sobre a cidade.

Anúncios