Uma lei do deputado Gilberto Palmares começou a ser respeitada pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, a lei de Áudio e Vídeo nas viaturas policiais.

Esta lei beneficia só não a população como aos BONS policiais que muitas vezes são acusados de forma injusto por causa dos maus exemplos dados por alguns colegas de farda. Esta lei vai dar credibilidade e segurança ao trabalho dos cidadãos da área de segurança. Parabéns ao Dep. Gilberto Palmares pela iniciativa!

Já utilizada em larga escala por polícias de países europeus e dos Estados  Unidos, a “espiadinha” também já chegou à PM do Rio. Desde janeiro, 100 viaturas  dos batalhões de São Gonçalo e Niterói já circulam com câmeras, que registram  ações policiais 24h por dia. Do batalhão, o comandante pode escolher entre  assistir às operações ao vivo via 3G ou esperar o carro voltar à base e ver as  imagens gravadas em alta definição.

O sistema, que vai chegar a todos os batalhões do estado e a 2 mil viaturas,  custou R$ 18 milhões e é de última geração: grava em áudio e vídeo, mostra  imagens noturnas e também registra a localização da viatura e a rota que traçou  em um mapa. Todo o investimento tem uma justificativa: transparência.

— Não vai pairar dúvidas sobre o que acontece durante ações policiais — conta  o secretário de Segurança José Mariano Beltrame, que, da sua sala, vai ter  acesso a câmeras de qualquer viatura.

Apesar de 61 viaturas do 7º BPM, em São Gonçalo, e 38 do 12º BPM, em Niterói,  já circularem com os kits de duas câmeras, antena de transmissão e um gravador,  o sistema ainda está em fase de testes antes de ser replicado para outros  batalhões.

— Ainda estamos vendo qual a melhor solução técnica para a transmissão ao  vivo: ela trava muito. Outro problema é o armazenamento, que é caro. Cada  batalhão só armazena dois meses de gravações. Vamos expandir isso para criar um  banco de dados — explica Edval Novaes, subsecretário de Modernização  Tecnológica.

Lei cobra filmagens

O uso de câmeras nas viaturas já é previsto por lei desde dezembro de 2010.  Na ocasião, deputados aprovaram o Projeto de Lei 1.625-A/08, de Gilberto  Palmares (PT) , que obriga a instalação de câmeras nas viaturas da PM. Em sua  sustentação do projeto, que havia sido vetado pelo governador Sérgio Cabral, ele  afirmou que a lei evitaria “abusos de poder” por parte de policiais.

Além de serem exigência legal, as filmagens também serão utilizadas pela PM  de forma didática:

— Pretendo usar as gravações como forma de demonstrar como queremos que se  faça polícia, como estudo de caso. Na próxima formatura de policiais, imagens  vão ser mostradas como exemplo de abordagem — afirma o comandante do 7º BPM (São  Gonçalo), tenente-coronel Luiz Eduardo dos Santos.

Os próximos batalhões a receber a novidade serão Mesquita, Rocha Miranda e  Irajá. Eles foram definidos pelo comando da corporação pela quantidade de  ocorrências registradas.

Duas câmeras

Cada viatura vai circular com duas câmeras: uma no teto, voltada para a  frente do veículo, e outra no painel, que mostra a movimentação dos policiais  dentro do carro.

Áudio e vídeo

As câmeras gravam áudio e vídeo. As gravações, em alta qualidade, são  armazenadas em um gravador dentro do veículo e são descarregadas, via wi-fi,  quando o carro entra no batalhão. Cada unidade tem equipamento para armazenar 16  teras de memória.

Ações ao vivo

Quando o comandante do batalhão desejar, há a possibilidade de as imagens  serem transmitidas dos carros em tempo real, via 3G. Nesse caso, a resolução da  imagem não é tão boa.