Duque de Caxias está de luto, 6 mortos de forma covarde sem ter tempo de reação deixou a cidade com medo. Medo porque as autoridades expulsam os traficantes, pacificam, fica uma ideia de segurança mas no fundo estamos entregues à sorte.

 

Corpos foram encontrados na porta de um bar | Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

Seis homens foram assassinados a tiros de fuzis na tarde desta sexta-feira, quando bebiam num bar na Favela do Vai Quem Quer, no bairro São Judas Tadeu, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. À noite, a Polícia Civil informou que dois mortos tinham envolvimento com o tráfico de drogas na região. Outros dois não tinham passagem pela polícia e não estariam entre os alvos dos assassinos. Os outros não haviam sido identificados até às 22h.

O delegado Marcelo Ambrósio, da 60ª DP (Campos Elíseos), disse que não descarta nenhuma hipótese na investigação sobre a chacina, cometida por oito homens em dois carros na Rua Jovita Feitosa.

“Vamos ouvir familiares e testemunhas para apurar o caso. Não há guerra entre facções criminosas nesta comunidade”, afirmou Ambrósio, lembrando que no local foram encontrados projéteis de fuzis de calibres 762 e 556.

No Palio preto em que algumas vítimas chegaram ao bar, não foram encontradas armas e drogas. A polícia acredita que, se existiam, elas podem ter sido roubadas pelo bando que cometeu o massacre. Um homem identificado pelo apelido de Pará morreu sentado no banco do motorista do Palio. Outro, conhecido como Pitty, foi encontrado ao lado do carro. Eles seriam traficantes, diz a Polícia Civil.
Moisés Dias Romão, de 51 anos, e Bruno Leonardo Salazar Faustino, de 17, não tinham passagem pela polícia e teriam sido vítimas de balas perdidas. Os outros dois corpos não foram identificados.
Segundo o delegado Marcelo Ambrósio, dois deles foram encontrados a 20 metros do Palio e outros dois a 40 metros, o que indica que podem ter corrido ao notar a aproximação dos dois veículos com os criminosos.