O Pm segurança do prefeito de Mesquita (Rj) Artur Messias foi assassinado em frente à residência do sr. Artur. Daí sai na imprensa que o Pm foi vítima de um latrocínio, mas vendo os fatos qualquer pessoa l~e de cara que este assalto está meio estranho. Vamos lá, antes do Pm chegar ao local um carro passou por lá 2 vezes (fazendo uma ronda, como se já estivesse esperando o Pm chegar ao local), dois bandidos vão em direção ao carro do Pm (um ECOSPORT) e o tiraram de lá, deram-lhe uns dez tiros em sua maioria na direção do rosto. Putz, e ainda querem dizer que foi roubo seguido de morte porque o pm reagiu.

EcoSport, cordãozinho ouro (como PM gosta de ostentar ouro)

Segue abaixo o link do vídeo:

http://appsodia.ig.com.br/portal/tvodia/videos/O_DIA_ONLINE_TV_O_DIA_morte_de_seguranca_de_prefeito.shtml

 

A matéria do jornal O Dia:

O delegado titular da 53ª DP, delegado Júlio da Silva Filho, pretende ouvir vizinhos e prefeito de Mesquita, Arthur Messias, após o assassinato do policial militar Luciano do Amaral Sales. Para o policial, os criminosos procuravam carro para roubar. “Trabalho com a hipótese de latrocínio. Não tem qualquer conotação política ou ligação com o prefeito. Foi um caso isolado”.

Em nota, Arthur Messias disse que está abalado e pediu justiça: “Honrado policial, com quem convivia há mais de sete anos, foi covardemente assassinado. Era um jovem alegre, tranquilo e cheio de sonhos”. Ele lembra que já foi vítima de sequestro relâmpago no local, há três anos. Na ocasião, os bandidos atiraram na direção de seu pai, que não foi atingido.

O PM será enterrado nesta terça-feira, no cemitério Jardim da Saudade de Mesquita.

Morte na porta da casa do prefeito

O sargento da PM Luciano do Amaral, encarregado da proteção do prefeito de Mesquita, foi assassinado nesta segunda em suposta tentativa de assalto. Dois bandidos atacaram o sargento Luciano do Amaral Sales, de 35 anos, na porta da casa do prefeito, quando o militar chegava para assumir o serviço como segurança e motorista. Segundo a polícia, Luciano foi atingido com pelo menos quatro tiros. Os criminosos o abordaram pela porta do motorista do EcoSport cinza que ele dirigia. A polícia trabalha com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte).

O policial, lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), trabalhava com o prefeito havia sete anos. Ele tinha acabado de deixar o serviço no batalhão e seguiu para a casa do político, na Vila Emil, às 6h30, e ficou dentro do carro. Câmeras de segurança da casa mostraram que um Escort passou pelo local em marcha reduzida. O vídeo analisado pela polícia revela que o carro retornou e parou atrás do EcoSport do PM. Dois homens abordaram a vítima.

De acordo com o delegado Júlio da Silva Filho, da 53ª DP (Mesquita), o PM estava sentado sobre sua arma e foi surpreendido quando o bandido abriu a porta, que estava destravada. Ainda segundo o delegado, a vítima teria tentado esconder a arma, mas os bandidos pensaram que ele iria reagir e atiraram.

O policial foi atingido por diversos disparos, inclusive na cabeça. Os criminosos ainda arrastaram Luciano para fora do veículo e atiraram novamente. Nas imagens, os bandidos aparecem procurando algo no veículo e, depois, fogem. Os rostos deles não foram identificados pelo vídeo, que ainda está sendo analisado. A pistola calibre 40 do policial foi roubada.

Luciano foi socorrido por policiais do 20º BPM (Mesquita), que fica próximo ao local, mas já chegou morto.