A polêmica continua, a listinha com os deputados homofóbicos já foi passada… os evangélicos não jogaram limpo… te pergunto PASTOR, jogar sujo é coisa de quem??? Do DEMO… hummm… Ameaçar, pressionar de forma agressiva e suja, MENTIR, ENGANAR o fiel… isso é coisa de quem PASTOR? Do DEMO… Ir contra os próprios companheiros no plenário PASTOR, trair a confiança da bancada PASTOR??? Isso é o que???? É uma vergonha e é do MAU usar o nome de nosso DEUS em vão… o povo humilde e sofrido tem que acordar antes que o MAU domine o mundo. (opinião do MANXXXA)

Um discurso da ex-“atriz” e deputada estadual Myrian Rios (PDT) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro tem causado polêmica. Em vídeo, postado no YouTube na última sexta-feira (24), Myrian afirma querer ter o direito de demitir uma babá lésbica, pois ela poderia tentar abusar de suas filhas.

“Digamos que eu tenha duas meninas em casa e contrate uma babá que mostra que sua orientação sexual é ser lésbica. Se a minha orientação sexual for contrária e eu quiser demiti-la, eu não posso. O direito que a babá tem de querer ser lésbica é o mesmo que eu tenho de não querer ela na minha casa. Vou ter que manter a babá em casa e sabe Deus, até, se ela não vai cometer pedofilia contra elas”, disse.

A “atriz” continua com os exemplos. “Se eu contrato um motorista homossexual, e ele tentar, de uma maneira ou outra, bolinar meu filho, eu não posso demiti-lo. Eu quero a lei para demitir, sim, para mostrar que minha orientação sexual é outra”, afirmou.

Católica, Myrian Rios se posiciona contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que a orientação sexual em meio aos direitos fundamentais previstos na Constituição do Rio de Janeiro, sendo sua discriminação punível no estado. Veja o vídeo do discurso da ex-mulher de Roberto Carlos.

* O deputado estadual Gilberto Palmares defendeu a PEC falando que é a favor da família. Que não pode continuar vendo gays sendo espancados na rua pelo simples fato da orientação sexual. Esta rotina das famílias precisa mudar. Palmares acrescentou que independente do resultado a vitória já é dos homossexuais. “Este é um país onde por mais de 300 anos os negros foram escravizados e hoje não são mais. Este é um Pais onde, ainda no século XX, as mulheres não tinham direito a voto e hoje estão aqui dentro, inclusive na Presidência da República. Este é uma País onde, até poucas décadas atrás a situação civil de heterossexuais que tinham terminado o casamento formal era objeto de discriminação. Vários avanços foram obtidos pela perseverança”, finalizou Palmares dizendo que vai continuar na luta.