O desconforto e o medo que cada cidadão tem sentido da polícia é de nos fazer repensar tudo sobre segurança pública. Estou ficando repetitivo em relação a este tipo de notícia: CORRUPÇÃO POLICIAL. Um Estado sem polícia é um Estado falido, um Estado com polícia corrupta é um “estado” de medo. Em quem confiar? Lembro e não sou tão velho assim do tempo em que as crianças brincavam de polícia e ladrão e ser policial era o que toda criança queria. Se você falar com uma criança hoje “a polícia chegou” ela vai sair correndo achando que é bicho papão e isso é temeroso para a sociedade futuramente. Um futuro que a cada dia chega mais rápido. Penitenciária não socializa nem 3% dos presos, mais um problema que precisa ser revisto. Será tão difícil assim tentar mudar? Estes nossos governantes não pensam nos netos? Estes policiais pagos por nós não pensam que um mundo violento é ruim para eles mesmos? A corrupção aqui mata ali na frente, a arma vendida por ele mata um amigo de farda. Mas o dinheiro e a ganância atropela o sentimento e ele ri de idiotas honestos, trabalhadores e que tem amor à família. Tenho medo do futuro que minha filha encontrará. Tenho nojo desses ratos fardados que só fazem ceifar vidas inocentes…

A Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) informou, na noite desta quarta-feira (1º), que nove pessoas já foram presas durante uma operação contra agentes corruptos, no estado do Rio de Janeiro. Segundo a delegada Tatiana Loche, da Divisão de Assuntos Internos da Corregedoria, um dos suspeitos, um policial civil, se apresentou por volta das 18h30 na sede da instituição.
A ação, que começou ainda pela manhã, visa prender policiais envolvidos com contravenção e jogos de azar. De acordo com a Coinpol, as investigações vêm sendo realizadas há cerca de seis meses.

Foram presos um delegado, cinco policiais civis e um agente do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe). Entre os oficiais capturados, está o ex-delegado da 76ª DP (Niterói) e atualmente na 104ª DP (São José do Vale do Rio Preto), Henrique Faro dos Reis.
“Quando eu assumi o comando, disse para o Gilson (Emiliano) que não há território intocável para a Polícia Civil. Não desejo saber os alvos, quero apenas saber dos resultados. Não tenho dúvidas de que eu conto com um grupo de bons, dedicados e competentes profissionais”, afirmou a delegada.

O objetivo dos 170 agentes envolvidos era cumprir total de 10 mandados de prisão, sete deles para policiais civis. Eles também estiveram nas ruas para cumprir 29 mandados de busca e apreensão. Foram apreendidos muitos documentos e duas motocicletas de uma empresa de segurança. A ação contou com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio.

Marco Lira, da Viradouro, escapa

Procurado na sua casa em Camboinhas, Niterói, o ex-presidente da Viradouro Marco Lyra, não foi encontrado. Segunbdo funcionários do condomínio, ele já não mora mais no local há 3 meses e teria vendido o imóvel por R$ 1 milhão.

A polícia encontrou  máquinas caça-níqueis e documentos da Viradouro, que foram levados para análise.