Novas manifestações estão vetadas até o próximo dia 25, quando acontecerá uma reunião para discutir as reivindicações da categoria

Depois de um mês de greve, bombeiros e salva-vidas voltaram ao trabalho, nesta terça-feira, no Rio de Janeiro. Foi agendada para o próximo dia 25 uma reunião entre o Comando-Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) e lideranças do movimento salarial, para discutir as reivindicações da categoria. Até lá, estão proibidas novas manifestações.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil (Sesdec) informou que a normalização das atividades suspende os processos de deserção. Nessa madrugada, quatro bombeiros que eram considerados foragidos se entregaram no Quartel Geral da corporação, no centro da cidade. Por causa dos protestos, 36 manifestantes serão transferidos de suas unidades para outros grupamentos. Estão previstas 18 transferências para amanhã e as 18 restantes para a próxima segunda-feira.

Cinco militares apontados como líderes do movimento tiveram a prisão decretada, na última sexta-feira, pela juíza Ana Paula Pena Barros, da Auditoria da Justiça Militar do Rio. Eles são acusados de descumprimento de missão, deserção e recusa de obediência, além de expor de a população a riscos, pois cerca de 70% dos salva-vidas aderiram à manifestação.