Um dia após uma confusão na estação do metrô de Botafogo, na Zona Sul do Rio, a Metrô Rio, concessionária responsável pelo serviço, afastou nesta quarta-feira (27) os seguranças envolvidos no tumulto até que o caso seja esclarecido. A Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes do Rio (Agetransp) instaurou processo para investigar o caso. (a AGETRANSP multa mesmo?).

A discussão aconteceu na terça-feira (26) e foi filmada pelo repórter da TV Globo Rogério Coutinho. O vídeo mostra cenas de truculência e desrespeito ao passageiro. A confusão começou quando seguranças do metrô impediram a entrada de um homem que, segundo eles, teria pulado a roleta. Uma atitude vergonhosa com um trabalhador, esta cena foi na zona sul agora você imagina o tratamento dado a zona norte?

A estação estava cheia. Muita gente parou para observar a discussão. Logo, outras pessoas se juntaram em defesa do passageiro. O suspeito de ter pulado a roleta é imobilizado e levado para a cabine da vigilância, onde cai no chão. Numa das imagens, um segurança movimenta o cacetete e logo depois o suspeito cai no chão. Ele está com um hematoma.

Dois homens que se apresentaram como colegas de trabalho do passageiro imobilizado negaram a versão de que ele tenha tentado pular a roleta. Eles dizem que ele teria pego um RioCard emprestado para entrar no metrô. No meio da confusão, um dos seguranças tenta impedir a filmagem. Na sequência, outro segurança agride passageiros com palavras.

Lesão corporal
Um outro passageiro também aparece nas imagens sendo imobilizado. PMs encaminharam passageiros e os seguranças para a delegacia. Segundo a polícia, dois passageiros registraram queixa contra o segurança por lesão corporal. O vigilante também registrou um boletim de ocorrência pelo mesmo motivo contra os dois passageiros. Todos vão responder em liberdade.

Pedido de desculpas

O Metrô Rio pediu desculpas à população pelo tumulto causado pelos seguranças. Ainda de acordo com a concessionária, o circuito interno não gravou imagens da confusão porque as câmeras foram retiradas para uma reforma.

Segundo a Agetransp, as penas previstas no contrato de concessão variam de advertência a multa.