O ataque que ocorreu em uma escola de Realengo na manhã desta quinta-feira fez muitos brasileiros fazerem uma associação imediata com a tragédia ocorrida da região de Colorado, nos Estados Unidos, em 1999. Conhecido como Massacre de Columbine, o episódio envolveu dois alunos do Instituto Columbine que atiraram contra vários colegas e professores, matando 15 pessoas. O termo “Columbine” está entre os mais utilizados no Twitter no Brasil.

Os usuários do Twitter já comentam esta possível semelhança. A internauta Daniela Rocha lamentou o ocorrido: “Muito triste o que aconteceu agora em Realengo, pensei que só acontecia nos EUA…”. Outra pessoa a comentar a tragédia e fazer a associação foi Emilayne Souto que disse: “Coisa louca essa do Rio de Janeiro. Tiros em Columbine 2?”.

Massacre em Realengo

Um homem invadiu uma escola municipal de Realengo, na Zona Oeste do Rio, e atirou contra crianças dentro de uma sala de aula, deixando mortos e feridos. De acordo com as primeiras informações, o atirador teria entrado nas dependências disfarçado de palestrante e as razões do crime ainda não conhecidas.

Foto:  Divulgação
A escola municipal Tarso da Silveira, local dos ataques | Foto: Divulgação

Testemunhas no local afirmam que o atirador está entre os mortos e teria sido alvejado por policiais militares durante o confronto, mas a informação ainda não pôde ser confirmada pelas autoridades.Todos os quartéis da Polícia Militar na região, assim como o de Bombeiros, foram deslocados para o local.

“As crianças da escola disseram que realmente um grande banho de sangue. Foi horrível”, disse um outro pai de aluno.

Funcionária viu crianças feridas
Uma funcionária da  Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, invadida por um suspeito que efetuou vários disparos por volta das 8h desta quinta-feira (7), afirmou que viu várias crianças feridas no local.

“O cara entrou, foi para o terceiro andar e começou a atirar. As crianças disseram que foi pai de aluno. Vimos muitas crianças carregadas, desacordadas, baleadas”, disse ela, que preferiu não se identificar.

A funcionária disse que não soube de nenhum funcionário ferido, apenas crianças. “Começamos a ouvir tiros. Com o eco, parecia que uma coisa estava desabando. Todo mundo correu. Depois, a professora chegou dizendo que o cara chegou atirando em uma sala. Foi um desespero”, afirmou ela, que ouviu de bombeiros a informação de que há mortos no local.

Segundo os bombeiros, cerca de 15 pessoas ficaram feridas, entre funcionários e estudantes. Eles estão sendo levados para o Hospital Albert Schweitzer.

De acordo com as primeiras informações do subcomandante do batalhão, major José de Paula, o homem seria o pai de um aluno que entrou atirando na escola. Não se sabe a motivação dos tiros.

Até o momento são 13 alunos mortos, o atirador morto e entre 20 a 25 feridos.

Nome do atirador: Wellington Menezes de Oliveira

*Há indícios dele ter sofrido bulliyng

Anúncios